Home / Curiosidades / Capivara É Praga? Pode Virar?

Capivara É Praga? Pode Virar?

A capivara é um animal com uma vasta distribuição geográfica por toda a América do Sul, com excessão de somente um país, o Chile.

Com uma grande população e somado a outros fatores, como a sua capacidade adaptativa a ambientes alterados pelo ser humano, como canaviais, pantanais, plantações e construções em áreas que antes eram seus habitats naturais, não passa nem perto de ser um animal em risco de extinção como muitos outros atualmente, seja pela sua falta de capacidade de adaptação, ao contrário da capivara, não conseguindo sobreviver com a alteração do seu habitat natural ou por caças ilegais, para o seu consumo ou para a sua domesticação, como é o caso de muitas espécies de aves.

Capivara Como Uma Praga: O Principal Motivo Da Rotulação

Mas nem sempre essa adaptação é é suficiente e apesar da sua classificação de sem risco de extinção, em algumas regiões já é um animal considerado extinto, como no Brasil, em regiões da Caatinga e do Nordeste e outras regiões em outros países como a Argentina, em contrapartida é considerada invasora em regiões como a Flórida, por exemplo, em algumas outras regiões sua população é menor comparada às regiões onde podem ser consideradas pragas. Além de invasoras, termo comum dos animais também roedores, como os ratos, por transmitirem doenças e dentre os motivos pelo qual pode ser denominado assim, a capivara é transmissora de uma doença tão grave quanto as que os ratos transmitem, a febre maculada.

São hospedeiras do carrapato estrela, parasitas que transmitem tal doença para os seres humanos, podendo levar a morte se o tratamento com antibióticos não for suficiente e adequado.

Capivara Habitat
Capivara Habitat

A Natureza Não Acompanha A Adaptabilidade Da Capivara

No seu habitat natural, espécies de pássaros têm uma convivência amistosa e útil com as capivaras, em que se alimentam destes parasitas que as mesmas são hospedeiras, mas em ambientes alterados pelo homem em que tiveram que se adaptar, a natureza não trabalha naturalmente e estes parasitas não servem de alimentos para espécies de pássaros, mas se tornam parasitas de outros hospedeiros, como o ser humano. Isto acontece com os seus predadores também, que no seu habitat natural são espécies de onças, leopardos, jacarés, cobras e aves de rapina, sendo assim, em adaptação a ambientes alterados naturalmente estão livres de seus predadores, sobrevivem e sua população consequentemente cresce.

Muito Mais Que Uma Causa

Quem sabe da informação de que a capivara pode ser considerada praga de forma leiga, pode associar esta condição a sua capacidade reprodutiva, como é o caso de alguns animais, como os característicos por esta natureza, os coelhos, mas com as capivaras não é o caso, apesar de poderem se reproduzir por todo o ano, além de ser o maior roedor do mundo, é o roedor que tem a gestação mais longa entre os mesmos, com o período de cinco meses, que junto a amamentação dos filhotes, com cerca de quatro meses, somam nove meses em que não podem se reproduzir mais uma vez.

Capivara Praga
Capivara Praga

O número máximo de reprodução que tem a capacidade por ano, é de duas vezes e por reprodução geralmente geram quatro filhotes, mas há raros casos em que podem gerar até oito, que competem entre si pelas somente seis glândulas mamárias da mãe. Mesmo após a maturidade dos filhotes, que se dá com cerca de um ano a um ano e meio, geralmente convivem entre grupos com machos, fêmeas e outros filhotes, o que também pode passar a impressão de uma capacidade reprodutiva fora do comum.

Não São Casos Isolados

Ou seja, a reprodução da capivara não é um caso isolado para ser considerada uma praga, os fatores são sua capacidade adaptativa, somado ao motivo de nestes ambientes adaptativos, como construções e plantações onde antes eram seus habitats naturais, que são represas, lagoas, lagos, rios e pântanos, não há tantos pássaros que se alimentam do seu parasita, o carrapato estrela, fazendo assim com que eles sobrevivam e parasitam seres humanos, transmitindo a febre maculada. Além da febre maculada, são consideradas pragas por acabarem juntando o útil ao agradável e se alimentando das plantações em que habitam, o que obviamente não é motivo de felicidade para o plantador.

A Criação Ou Caça E O Seu Consumo

Em algumas regiões da América do Sul este problema é resolvido por alguns agricultores com a criação da capivara e comercialização da sua carne e pele ou ainda o couro. Alguns outros habitantes das regiões onde se proliferaram as caçam e as consomem por conta própria. Os dois casos são mais comuns na Austrália, por exemplo, onde a sua carne e consequentemente couro foram mais bem aceitos culturalmente, o que não é o caso do Brasil, até porque por aqui a caça silvestre é ilegal, o que inclui a capivara.

Por outro lado, há quem se regularize com a legislação para a criação e comercialização do animal. Quem já experimentou a carne de capivara diz que o cheiro é muito característico, como é o caso da carne do peixe, por exemplo, gerando certa repulsa de alguns.

Entendimento, Compreensão E Assertividade

Uma forma de controlar os motivos pelos quais as capivaras são consideradas pragas primordialmente seria não construindo parques ou espaços de lazer, áreas residenciais ou plantações onde é o seu habitat natural, mas claro que esta solução não seria viável com tanta expansão populacional e econômica seja nas grandes cidades ou nas áreas rurais. Mas uma solução possível, é a castração das capivaras para que sua população seja estabilizada e tratamento especializado das mesmas visando controlar seus parasitas, principalmente o carrapato estrela e consequentemente a transmissão da febre maculada a moradores e trabalhadores locais.

Capivara
Capivara

Algumas regiões do Brasil, onde são consideradas pragas estas atitudes já foram tomadas, em algumas outras não, mas atos mais drásticos sim, como a matança de indivíduos da espécie, como forma de contornar o problema após muitos casos da doença e de mortes. As medidas a serem tomadas de forma mais assertiva são claramente visíveis, mas em muitos casos são barradas pela burocracia do sistema. Importante termos consciência que neste caso as capivaras também são vítimas e mais do que serem consideradas pragas por nós que também somos causadores deste problema, só estão tentando sobreviver com toda sua capacidade adaptativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *