Home / Curiosidades / Teiú Argentino: Curiosidades E Imagens

Teiú Argentino: Curiosidades E Imagens

O teiú argentino também é nomeado como teiú vermelho e como as suas duas nomeações sugestivas dizem habitam a Argentina, além da Bolívia, do Paraguai e também do Uruguai.

O teiú argentino é vermelho, tem a pele vermelha, com manchas mais escuras, puxando para um tom que lembra muito cor de terra, o que seria uma ótima forma de camuflagem contra ameaças pois são lagartos terráqueos, gostam de ficar na terra, além de cavar tocas na mesma onde hibernam durante o inverno e onde descansam durante a noite já que têm o hábito diurno, também gostam de escalar pedras e árvores onde ficam mais em contato direto com o sol para banhar-se.

A Natureza Do Teiú Argentino

Como típicos répteis que são, precisam da temperatura externa para equilibrar a temperatura interna e o seu metabolismo, há quem se refira a este fato dizendo que são animais de sangue frio, sendo assim, recorrem a habitats tropicais ou temperados, no caso do teiú argentino esses habitats são regiões com áreas florestadas e cerrados. Quanto a sua alimentação, são onívoros, comem todo tipo de vegetal, verduras, legumes e frutas, ovos que segundo alguns biólogos é o seu alimento preferido, insetos, pequenos mamíferos, roedores, como camundongos, aves, pássaros, peixes e carniça, como animais já mortos que são encontrados.

A Domesticação De Um Animal Tão Exótico

Certamente estão entre os mais escolhidos lagartos para animais de estimação por sua personalidade mais dócil, o que é contraditório para quem conhece os teiús e sabe a força de sua mandíbula e a afiação dos seus inúmeros pequenos dentes. Mas quem pensa que o criar é uma tarefa fácil por sua personalidade mais dócil comparado a outros lagartos, está enganado, como o imaginado com as informações passadas até aqui, são animais que requerem muito cuidado, que não poderiam em hipótese alguma serem criados por uma criança sem o manuseio correto de um adulto, além do que sua alimentação não é nada em conta. Para você se adentrar mais na criação deste réptil, dentre os seus alimentos, estão ovos, mas não pense que é qualquer ovo, o ideal é que seja orgânico, longe de qualquer tipo de excesso de hormônio como é comum atualmente, camundongos, em média um por dia, outras carnes incomuns como a de rã e entre os itens mais fáceis estão os vegetais, frutas, legumes e verduras que também não podem faltar. Mais um dos seus cuidados na sua criação como animal de estimação é adaptar o seu local com temperaturas ideais pela condição da sua temperatura corporal e metabolismo já citados e até a umidade do mesmo de ser controlada. Curiosamente essa temperatura varia dos vinte e oito aos trinta e dois graus centígrados, com uma umidade de cerca de quarenta porcento do ambiente. Se não forem criados com todos estes cuidados apresentados, inclusive com o acompanhamento de um médico veterinário, podem desenvolver facilmente uma pneumonia, por exemplo, especialmente no inverno, época do ano em que estão mais frágeis pela condição de sua natureza.

Teiú Argentino Uma Questão De Sobrevivência

Lembrando que apesar de ter uma personalidade mais dócil, quando diante de alguma situação que seja interpretada como ameaçadora pelo teiú argentino, podem se tornar agressivos como forma de defesa, como típicos golpes com sua cauda larga e comprida, abertura da boca para causar medo quando não chegam ao ato de realmente morder. Ou seja, saber manusear este exótico animal é fundamental para a sua convivência com humanos, especialmente crianças. Na natureza se defendem da mesma forma diante de ameaças, mas somente quando não há a possibilidade de fuga, pois esta é característicamente a sua preferência, não só desta espécie, mas da maioria dos lagartos, tanto é que alguns menores, conhecidos também como calangos têm a capacidade de se soltar da sua cauda para a possibilidade de sua fuga. Isso ocorre porque com a soltura de sua cauda que continua em movimento, distrai seu predador e enquanto isso some com a sua hábil velocidade. Mas não pense que acaba por aqui, esta falta de cauda que tanto os caracterizam é só por um tempo, pois também têm a capacidade de a regenerar, o que é inacreditável.

O Curioso Mundo Dos Teiús

Os teiús são sete no total contando com o teiú argentino, os outros são, o teiú branco muito comum no Brasil tanto na natureza como em cativeiro, o teiú palustre, o teiú comprido, o teiú mascarado, o teiú de quatro linhas e o teiú comum ou também conhecido como teiú gigante. Apesar de algumas espécies não habitarem o Brasil ou Portugal, como é o caso do teiú argentino, curiosamente a nomeação do seu gênero, tupinambis é uma homenagem aos indígenas tupinambás. Dentre as suas características em comum estão o seu porte grande, que pode chegar a até dois metros de comprimento. No caso do teiú em questão, o macho pode chegar a cento e quarenta centímetros de comprimento, enquanto a fêmea, noventa, apesar de não terem dimorfismo sexual, diferença na aparência por conta do sexo fora o seu tamanho.

Entretanto algumas características os diferenciam, como a hipótese da pele do macho ser mais brilhante e vistosa e a papa que só o macho da espécie possui, que seria mais assertivo definir como bolsas de gordura abaixo e lateralmente da sua face comprida e triangular.  É fácil reconhecer um filhote de teiú entre eles, pois enquanto não atingem a maturidade física do seu desenvolvimento, que se dá com cerca de dois a três anos de idade, são esverdeados. Como ovíparos que são, podem botar até trinta ovos por reprodução e a incubação enquanto os ovos não eclodem e os filhotes não nascem, dura em média noventa dias. Outra curiosidade é que os teiús possuem a língua comprida e cor de rosa. Algumas espécies de lagartos têm o típico hábito de répteis de retirar e colocar a língua de dentro da boca rapidamente como forma de sentir seu olfato, apesar de possuírem narina.

O estado de conservação dos teiús é pouco preocupante, isso certamente se dá pela sua capacidade numerosa de reprodução, sua diversidade geográfica pela América do Sul, pelo estado de conservação de seus habitats naturais e pela sua caça para domesticação ou consumo da sua carne não ser tão comum.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *