Home / Informações / Alimentação do Pássaro Quero-quero

Alimentação do Pássaro Quero-quero

O quero-quero é uma ave considerada de médio porte e que pode ser encontrada em toda a América do Sul e em algumas regiões da América Central. Essa espécie habita áreas próximas a rios e lagos e de pastagem baixa.

No artigo de hoje, falaremos mais sobre os hábitos alimentares do pássaro quero-quero e outras informações bem legais. Venha descobrir!

A Alimentação do Quero-Quero

A dieta do quero-quero (Vanellus chilensis) é composta por insetos, minhocas, vermes, pequenos vertebrados e invertebrados aquáticos. Raramente essa ave se alimenta de carne crua.

Durante a caça, o quero-quero utiliza a técnica de correr, parar e lançar o bico para frente. Outra forma de capturar suas presas é pisoteando o solo para encontrar o seu alimento debaixo da terra. Ele também revira a lama para capturar pequenos peixes.

Quero-Quero se Alimentando
Quero-Quero se Alimentando

Outras Informações Sobre o Quero-Quero

Características

O quero-quero mede de 32 a 38 centímetros de comprimento e pesa de 300 a 320 gramas. Seu corpo apresenta plumagem negra com manchas brancas na testa e na garganta. Do topo da cabeça e lateral do pescoço até o dorso, a coloração pode ser em tons de cinza, marrom ou azul.

As escápulas apresentam cor de bronze. As pontas das asas são acinzentadas e por dentro elas são brancas. A cauda possui uma fina faixa branca na extremidade. A íris do olho é vermelha, assim como o bico, que tem a ponta preta.

As quatro subespécies apresentam pouca diferenciação física. Não há dimorfismo sexual.

Reprodução

O período reprodutivo geralmente coincide com o período de chuvas da região em que a ave habita. A nidificação ocorre em alguma cavidade no solo cercada por gravetos e folhas secas.

O quero-quero possui hábitos monogâmicos. A fêmea bota de três a quatro ovos de 26 gramas e esverdeados, coloração que facilmente se camufla no solo. Após o nascimento, os filhotes não costumam ficar no ninho e o abandona logo depois de chocarem os ovos. A média de ninhadas é de três por ano.

Curiosidades sobre o Quero-Quero

  • Prefere viver em regiões de altitude baixa;
  • O quero-quero se adapta bem em áreas urbanas, como aeroportos, campos de futebol, jardins, etc;
  • Apresenta status de “Pouco Preocupante” na Lista Vermelha da União Internacional para Conservação da Natureza (UICN) devido a sua vasta distribuição;
  • Vivem em pares ou em pequenos grupos familiares, apesar de essa espécie já ter sido observada em bandos com mais de cem indivíduos;
    Quero-Quero em Bando
    Quero-Quero em Bando
  • Ainda não se sabe o tamanho total da população de quero-quero;
  • Apesar de voar muito bem, o quero-quero passa a maior parte do tempo no solo;
  • Para proteger seu ninho, o quero-quero pode chegar a atacar um ser humano que representar ameaça;
    Quero-Quero no Ninho
    Quero-Quero no Ninho
  • A taxa de natalidade do quero-quero é de aproximadamente 70%. Porém, apenas 20% chega a fase adulta;
  • Logo após nascerem, os filhotes já conseguem se alimentar sozinhos;
  • Seus principais predadores são aves de rapina, mamíferos, répteis e o homem;
  • O quero-quero é a ave-símbolo do Uruguai e do estado do Rio Grande do Sul;
  • O quero-quero é símbolo da Seleção Uruguaia de rugby;
    Símbolo da Seleção Uruguaia de Rugby
    Símbolo da Seleção Uruguaia de Rugby
  • A ave é também mascote do Novo Esporte de Ipatinga;
  • Seu nome deriva do som emitido durante o canto e que se assemelha a pronúncia de “quero-quero”;
  • O quero-quero costuma vocalizar quando percebe alguma situação de perigo;
  • Essa ave foi notada por Charles Darwin durante suas viagens pela América do Sul. Ele a descreveu como muito útil para os viajantes, pois anunciava a chegada de possíveis ladrões;
  • Muitos fazendeiros gostam de ter o quero-quero em suas propriedades porque eles alertam sobre a presença de intrusos;
  • O quero-quero costuma interagir com outros animais, como o joão-de-barro, o chupim e o sabiá-laranjeira;
  • Alguns indivíduos podem apresentar leucismo, uma particularidade genética recessiva que confere cor branca aos animais que geralmente são escuros.

A Lenda do Quero-Quero

Reza a lenda que, quando a Sagrada Família fugia para o Egito perseguida pelos soldados do Rei Heródes, era preciso viajar durante a noite e esconder-se em meio a matas, campos e grutas durante o dia para não ser vista e morta pelos soldados.

Quando os perseguidores se aproximavam, a Família precisava ficar em silêncio para não ser encontrada e capturada. Certa vez, Maria pediu para que os pássaros não fizessem barulho para que os homens não encontrassem ela e o menino Jesus.

Sagrada Família
Sagrada Família

Todos os animais acataram o pedido da mãe de Jesus. As aves não voavam e ficavam inertes, sem nem bater as asas. Porém, o quero-quero, sempre alarmista e alerta, não parava de gritar quando os soldados se aproximavam, ignorando o pedido de Nossa Senhora.

O canto do quero-quero ecoava: quero, quero, quero, quero… Por isso, ele foi amaldiçoado por Nossa Senhora e até hoje continua querendo e querendo, sem nada encontrar. (Adaptação de A Lenda do Quero-quero, publicada originalmente por Antônio Augusto Fagundes em Mitos e Lendas do Rio Grande do Sul, de 1992).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *