Home / Informações / Avestruz da Somália Com Fotos

Avestruz da Somália Com Fotos

Avestruz! Ou… avestruzes! Se você já viu esses termos sendo usados quando a pessoa esboça o sentimento de estranhamento, surpresa ou a reação de desacreditar de algo ou de alguma coisa, identificou estas expressões na hora.

Se você não conhecia esse costume, saiba que ele existe e não é tão incomum quanto você imaginou ser. Mas termos e expressões a parte, quem seria essa ave peculiar conhecida pelo seu nome mas pouco conhecida pelo seu distante habitat aqui no Brasil?

Quem São e Porque “Avestruz da Somália”

Seu nome científico é struthio molybdophanes. Referente ao seu gênero struthio, que inclui dez espécies sobreviventes, infelizmente oito espécies já foram extintas.

Gênero esse da família struthioniforme, que inclui além de outras espécies de aves, o avestruz comum e o avestruz somali, também conhecido como avestruz do pescoço azul.

Além deles também inclui as conhecidas emas, habitantes aqui do nosso país e representadas frequentemente no maracatu aqui no Brasil. E entre os mais conhecidos das espécies, também estão os casuar.

Somali por incluir um de seus países de origem, a Somália, é encontrado por todo o país. A Somáliandia sua região de origem, é dona da segunda maior população de toda a África. Na Etiópia, em Dijbouti e na Eritréia, -região conhecida como nordeste africano, que abrange esses cinco países- o avestruz somali também é encontrado.

São aves da ordem struthionidae, ordem de aves de grande porte, que tem o comportamento de correr e podem atingir a incrível velocidade de um veículo a sessenta quilômetros por hora, que não voam apesar de possuírem asas. São também conhecidas como ratitas, nome original, o que lembra um animal que vive no chão, térreo, no caso delas.

Avestruz da Somália: Dimorfismo Sexual e Diferentes Características

São avestruzes que se diferenciam consideravelmente de outras espécies dos mesmos. Além de se diferenciarem muito entre a fêmea e macho, ou seja, possuem o tão comum -entre os animais- dimorfismo sexual.

Essa característica é presente tanto no porte e no peso, como na aparência em geral, incluindo as penas. O macho se difere da aparência dos avestruzes comuns já na cor da sua pele, nas pernas e pescoço, é daí que vem o seu segundo nome conhecido, avestruz do pescoço azul. Mas no caso não é apenas o pescoço, também são suas pernas, um azul cinzento, que curiosamente fica mais azulado no período de acasalamento com a fêmea.

Entre as espécies de avestruzes, também há os de pele, pescoço e pernas pretas e vermelhas, são curiosamente aparências em comum padronizadas. Seu bico é laranja. Seu corpo é todo preto. E suas asas e caudas são brancas. Têm a característica peculiar comum de avestruzes, uma ave grande, com pernas e pescoços compridos.

Quanto ao seu peso e porte, podem atingir de dois a dois metros e meio de altura e pesar de cem a cem quilos e meio. A fêmea, facilmente distinguível do macho, é maior e mais pesada comparadas aos machos.

As pernas e o pescoço são marrons apesar de levarem o mesmo nome. Bico concomitantemente marrom, assim como o corpo, caudas e asas. Com penas menos volumosas que as do macho e mais caídas, como se fossem mais lisas.

Mas e o filhote? Distinguir o sexo antes do primeiro ano de vida é difícil senão impossível, essa possibilidade só é presente depois de cerca de um a um ano e meio de vida, quando começam a entrar na idade adulta e se diferenciar entre machos e fêmeas.

Uma característica um tanto estranha, ainda mais para quem não gosta de pés, é ele mesmo, seu esquisito pé, que curiosamente tem somente dois dedos, sendo que um não possui unha, só o outro.

Outra curiosidade para você leitor, é que os avestruzes possuem dois estômagos. Haja alimento para tanto estômago.

Sua expectativa de vida, vivendo de forma selvagem em seu habitat natural, é de cinquenta a setenta anos.

Como Este Avestruz se Reproduz

Durante essa estimativa de vida longa, de tantos anos de vida, sua capacidade de reprodução não fica tão longe.

Podem reproduzir em seus períodos férteis de um terço de sua vida até dois terços. Sendo que começam a ter essa capacidade de reprodução a partir da média de dois a três anos de vida.

Esse período se dá apenas uma vez ao ano como na maioria dos outros animais. E quando reproduzem geram de dez a doze filhotes, um número impressionante de ovos para a média de reprodução de uma ave.

Seus ovos são compatíveis com o seu porte grande, são até conhecidos como ovos de ouro por esse motivo, são grandes e quando não eclodem e reproduzem, são usados como ornamentos através de artes manuais em alguns países. A incubação feita pela mãe é longa, de quarenta a quarenta e dois dias.

Cultura

Assim como a ave peru no Brasil é criada culturalmente para o abate, comercialização de sua carne para consumo, da suas penas para produção de travesseiros, almofadas, colchões e estofados e até do esterco para plantios com o avestruz da Somália não é diferente em alguns países

No o Quênia, onde é mais culturalmente presente e até mesmo no Brasil, mas não podendo nem ser comparada com a criação de peru ou galinhas. Assim como o peru novamente, sua carne e pena são comercializados e até seu ovo quando não reprodutivo para a comercialização do artesanato.

Pena de Avestruz da Somália
Pena de Avestruz da Somália

Apesar do seu habitat natural ser uma típica região da África, savana semi árida, sua adaptação e flexibilidade a diferentes habitats e temperaturas permite que essa cultura se instale também. Além de sua alimentação naturalmente fácil, a base de pasto.

Uma característica que pode dificultar a sua criação é o seu comportamento agressivo com seres humanos. Ainda sobre o seu comportamento, na natureza vivendo de forma selvagem, vivem em bandos.

A cultura de uso do avestruz para fins comerciais requer muito cuidado, já que a sua população diminuiu consideravelmente por conta da caça para o consumo de sua carne, além de outros fatores que também prejudicaram o número de animais, como o desmatamento do seu habitat natural, por exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *