Home / Informações / Características Metatheria

Características Metatheria

Metatheria é uma classificação de animais mamíferos que é sinônimo da classificação marsupial. A única sutil diferença é que alguns autores podem considerar a Metatheria mais rica e abrangente, já que levam mais em conta além dos mamíferos da classificação dos marsupiais, alguns outros marsupiais já extintos e mais primitivos.

O Que é Metatheria?

O marsupial ou methateria nesse caso não são diferentes nas suas características, já que são praticamente a mesma classificação, com exceção já explicada acima.

Vamos as suas características então: os animais mamíferos são classificados de acordo com o seu desenvolvimento embrionário quando em reprodução. Dentre as classificações só existem três, nada difíceis de entender. Vamos ao esclarecimento.

Há a classificação dos placentários, que são animais mamíferos que têm o seu desenvolvimento embrionário quando em reprodução total na placenta da mãe, dentre eles nós seres humanos. Outra é a dos monotremados, são animais que têm o seu desenvolvimento reprodutivo embrionário do feto dentro do ovo, característica comum de aves e pássaros e não mamíferos, mas eles também existem, entre eles os menos conhecidos popularmente, como os ornitorrincos e equidinea. E por último e o tema deste texto os matatherios, que são animais mamíferos que possuem o desenvolvimento de seu embrião na reprodução parte no marsúpio, uma espécie de bolsa mais conhecida no canguru e parte na placenta.

Embora o canguru seja o animais mais famoso ele não é o único a ter essa característica, também estão nesse grupo os fofos coalas, ambos com habitat em comum, a Austrália, os menos conhecidos e peculiares diabos da Tasmânia, oriundos de onde seu nome já diz tudo, a Tasmânia e os gambás, presentes dentre outros países da América do Sul, no nosso país.

Reprodução Metatherios e Marsupiais

Algumas pessoas podem confundir a explicação e o entendimento por conta do nome da classificação placentária. Mas tanto a classificação de metatherios quanto a de placentários têm a característica em comum de terem placenta, com exceção de somente a classificação de monotremados não ter, por esse motivo, não está incluso nesse texto.

Então qual a diferença entre as duas classificações se são diferentes? A distinção é no processo de nutrição necessário da mãe para o embrião se desenvolver. Nos placentários todo o desenvolvimento embrionário é na placenta e o bebê no caso dos seres humanos, ou filhote no caso de outros possíveis diversos placentários, já nasce totalmente desenvolvido.

Já o marsupial têm parte do desenvolvimento na placenta da fêmea de marsupial e nasce não totalmente desenvolvido, mas com a capacidade de traçar o caminho até o marsúpio, onde vai receber o resto da nutrição necessária através da amamentação para se desenvolver totalmente.

Os placentários passam mais tempo na placenta antes de nascer. Já os marsupiais passam mais tempo amamentando para nascer pronto para viver no mesmo bando que seus pais. São animais que já nascem prontos para a sobrevivência na difícil vida selvagem. Por outro lado, os placentários nascem mais dependentes da mãe e acabam se desenvolvendo nesse aspecto com as vivências e experiências da vida e os ensinamentos da mãe.

Metatheria pelo Mundo

Os placentários são muito mais em número, espécie e muito mais espalhados pelo mundo comparados aos marsupiais e monotremados, apesar de ambos possuírem seus habitats bem diversificados.

Os marsupiais só se encontram nas Américas e na Austrália, enquanto os placentários por quase todo o mundo. Os placentários são cerca de noventa e cinco porcento da população de mamíferos. Já os marsupiais são cerca de quatro porcento.

Característica da Metatheria

Apesar da evolução e história  desconhecida dessa classificação, o fóssil mais antigo de um marsupial é datado com mais de cento e vinte e cinco milhões de anos atrás. Entre os animais já extintos está o lobo da Tasmânia. A última aparição desse belo e selvagem animal foi em mil novecentos e trinta e o último da espécie morreu em mil novecentos e trinta e seis.

Muitas espécies de marsupiais estão em risco de extinção. Cerca de cem espécies estão sob ameaça. Aproximadamente dez espécies e seis subespécies já foram extintas nos últimos dois séculos pela irresponsabilidade humana sob a natureza na Austrália.

Características da Metatheria: O Lobo da Tasmânia

Vamos falar mais um pouco desse marsupial infelizmente já extinto da natureza. Sendo até difícil de diferenciar de um cachorro comum de porte médio, são bem parecidos, o que distingue são suas características manchas nas costas e rabos que lembram muito a pelagem de um tigre.

O lobo em seu nome também não é a toa, já que também uivavam como eles. Eram literalmente selvagens, sua predação e caçada era durante a noite e crepuscular, eram animais noturnos.

Ainda sobre as suas características, tinham o pelo curto, a pelagem amarela e marrom. A maior espécie desse marsupial já encontrado foi de duzentos e noventa centímetros do nariz a cauda. Havia um leve diformismo sexual entre machos e fêmeas, ou seja, as fêmeas eram um pouco menores que os machos, como a maioria dos animais.

A fêmea possuía um marsúpio com quatro tetas para amamentação de seus filhotes. Foi o maior carnívoro na história dos marsupiais. Habitavam naturalmente a região da Austrália e da Nova Guiné. Foi oficialmente extinto como complemento do que foi acima citado, em mil novecentos e trinta e seis, o último animal era um animal de zoológico. Chegou a viver junto com seu chará diabo da Tasmânia e o canguru também seu parente.

Dentre os possíveis motivos para a sua extinção está a caça ilegal pela ameaça que causava aos homens na época e a ocupação humana de europeus em seu habitat natural. Há registros de pinturas rupestres desses marsupiais com cerca de mil anos antes de Cristo.

Curioso Lobo da Tasmânia Macho

O tigre ou lobo da Tasmânia era um dos únicos animais marsupiais, fora o cuíca d’água a ter o marsúpio em ambos os sexos, macho e fêmea. Mas não era em função da reprodução. Sua única função era proteger seus órgãos externos, assim como o canguru macho tem essa capacidade, apesar de não possuir o marsúpio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *