Home / Informações / Como Criar a Ave Peru

Como Criar a Ave Peru

O peru é uma ave muito querida entre os consumidores de carne, mas não só entre eles. A ave pode ser muito bem aproveitada quando criada para abate. Suas penas podem ser usadas para a produção de enchimento de almofadas, travesseiros e colchões e até seu esterco pode ser reaproveitado, como adubo para plantas.

Mas não só as oportunidades de mercado são atrativas, sua fácil e econômica alimentação quando em criação a base de grãos e insetos e sua flexibilidade e adaptação a espaços nada exigente mas suficientes e necessários por ser uma ave natural de habitat de clima temperado, o que torna para os interessados em criar uma atividade mais fácil. Outro atrativo é a rapidez no desenvolvimento do peru, com cerca de quatro meses estão totalmente desenvolvidos chegando aos ideias quinze quilos no caso do macho e oito no caso das fêmeas, prontos para o abate. Mais um atrativo é a sua capacidade de reprodução, o tornaria a criação muito rentável. A maturidade dos perus chega com cerca de oito meses e as fêmeas podem chegar a ter incríveis quatro reproduções ao ano, com cerca de quinze a vinte ovos por reprodução.

O desenvolvimento dos filhotes é rápido, após a eclosão dos ovos, a incubação feita pela fêmea dura cerca de vinte e oito dias.
O peru é uma ave que está na mesma ordem que a galinha, a galliforme, ordem essa que abrange mais de duzentas e cinquenta espécies, mas entre os setenta gêneros da ordem, o do peru e da galinha são diferentes, uma das espécies dos perus são do gênero meleagris.

Como Criar a Ave Peru: Espécie Usada para a Domesticação

O gênero meleagris integra duas espécies de perus. Uma é o peru selvagem, que tem sua origem na América do Norte, continente americano. É só por lá que podem ser encontrados vivendo de forma selvagem em seu habitat natural, curiosamente é o peru de maior porte entre as tantas espécies de galliformes.

As aves perus apresentam grande dimorfismo sexual, ou seja, diferenças na aparência e no porte entre macho e fêmea, o que também torna a distinção mais fácil do que os animais que não apresentam.

Os perus selvagens machos pesam de oito a dez quilos enquanto as fêmeas pesam de quatro a cinco. Dimorfismo sexual tanto que a fêmea pesa quase que somente a metade do que o macho pesa. Isso vivendo de forma selvagem, em seu habitat natural, quando sendo criados de forma doméstica, os machos podem chegar a pesar quinze quilos por sua criação utilizar alimentos especiais com o objetivo de engordar a ave com a visão de finalizar com mais carne no abate. Provavelmente por esse motivo ganharam tanta notoriedade em todo o mundo quanto a domesticação e consumo da sua carne até hoje, mas essa cultura não é tão atual.

Cultura do Consumo de Carne de Peru

Sua domesticação teve origem no México através dos povos indígenas, com cerca de dois mil anos atrás e sua domesticação também teve origem no México, com cerca de mil anos atrás. Pelo seu grande consumo, chegou a diminuir muito a sua espécie, o que levou a uma reintrodução muito bem sucedida.

Atualmente seu maior consumo é na América em geral, culturalmente nos Estados Unidos da América no Natal e no Dia de Ação de Graças, por toda Europa. Aqui no Brasil o consumo não chega a ser tão cultural como nos EUA, mas sabemos que é um prato que não pode faltar na ceia de Natal para quem gosta. Na América Latina é tão consumido quanto o pernil e o frango.

Outra Espécie Da Mesma Ordem

A outra espécie é a meleagris ocellata ou peru ocelado. Já chegou a ser classificado em seu próprio gênero, o agriocharris, mas como vimos, hoje não mais por conta de gêneros distintos não justificarem suas diferenças. Esse parente do peru selvagem, tem sua origem no México e são encontrados vivendo de forma selvagem em seu habitat natural somente por lá, Belize e Guatemala.

Assim como os perus selvagens, têm o porte grande, medem de setenta a cento e vinte e dois centímetros de comprimento, um macho chega a pesar cinco quilos e a fêmea três. Mas apesar de não ficarem muito atrás do peru selvagem quanto ao porte, esses perus não são tão usados quanto o peru selvagem para o consumo de sua carne culturalmente. Entre as espécies de Peru, algumas já são tidas como extintas.

Como Criar a Ave Peru: Cuidados Na Sua Criação

Os cuidados na domesticação, alimentação e higienização na criação dos perus interferirá completamente na qualidade da carne. Especialmente nos primeiros meses de vida em que os perus são mais frágeis e correm maiores riscos do que os adultos de contraírem doenças. Por esse motivo algumas pessoas preferem não começar a criação cuidando da incubação dos ovos ou através da compra de filhotes, porque os cuidados seriam mais que redobrados.

É fundamental que o criadouro das aves seja com uma temperatura boa, agradável, visando a saúde e bem estar da ave, além claro da qualidade da carne, protegendo os perus de calor, frio, Sol, chuva, mormaço, umidade pelo mesmo motivo. Ou seja, será necessário um ambiente coberto, cercado, mas que ao mesmo tempo seja equilibrado.

Dentre outros itens que são necessários para o seu viveiro está, material que absorva fezes e urina no chão como sabugo e seja higienizado e trocado periodicamente e poleiros que dê bastante opção de locais de descanso para eles, já que perus apesar de ficarem mais no chão, como qualquer outra ave também gostam de alturas médias e altas e que deixe o espaço confortável.

No Brasil as espécies mais indicadas para a criação são a mamouth bronzeado que apresenta bom rendimento e beltsville branco que tem a carne mais macia. Há outras mais usadas para a criação mundialmente como o holandês branco e o bourboun vermelho. Outra opção é a criação por gostar da ave e não para abate, o que já abrangeria muito mais espécies de perus por conta do gosto e preferência serem muito individuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *